Trocar dívida por outra menor

Como trocar dívida por Outra Menor: primeiros passos para Trocar Dívida

Quando se está endividado, buscar formas de reduzir essa dívida é uma tarefa importante. Uma das maneiras de fazer isso é substituindo a dívida original por outra com juros menores. Mas como trocar dívida por outra menor? É o que vamos ver neste artigo.

Primeiro, você precisa entender os motivos pelos quais essa troca pode ser interessante. Em seguida, veremos algumas etapas para realizar esse processo e poder organizar suas finanças.

Afiliado jivochat

O que é trocar dívida?

Tristemente o endividamento é um fato frequente na vida dos brasileiros. Ainda assim não é necessário ter sempre sentido negativo.

A dívida pode ter sido contraída para auxiliar na concretização de um sonho ou quem sabe na abertura de um negócio.

Contudo, a má utilização do dinheiro pode originar múltiplos problemas. Sendo assim, que atitude tomar quando uma dívida abala suas finanças e está sendo difícil sustentar os pagamentos?

Uma das opções é trocar dívida por outra menor.

Quando fazer a troca de dívida?

A troca da dívida é uma estratégia muito utilizada pelos consumidores que desejam ter mais controle financeiro.

Ela pode ser uma solução para diversos problemas, desde a diminuição dos gastos mensais até a renegociação de dívidas em atraso.

Porém, é preciso ter cautela na hora de fazer essa substituição, pois ela pode causar mais problemas do que a dívida original.

Quando há o acúmulo de várias dívidas, é possível que algumas delas estejam em atraso . Nesses casos, a troca pode ser uma boa opção para renegociar as dívidas e ter mais controle sobre elas.

Além disso, a troca da dívida também é uma estratégia utilizada para diminuir os gastos mensais.

Isso acontece porque, ao trocar uma dívida de maior valor por outra menor, o consumidor consegue uma redução nos juros que estava pagando.

Porém, é importante lembrar que a troca da dívida não é uma solução para todos os problemas financeiros.

Ela pode até ser uma forma de renegociar as dívidas, mas isso não significa que o problema está resolvido.

Portanto, a troca da dívida deve ser feita somente quando o consumidor tem certeza que será capaz de cumprir com os novos pagamentos.

Estratégias para organizar sua vida financeira

Existem alternativas que podem nos ajudar a saldar as nossas dívidas e compromissos mensais.

Por exemplo, obter uma renda extra ou diminuir gastos desnecessários. Uma chance lucrativa (porém, quase não conhecida) é trocar uma dívida cara por uma mais barata.

Assim será possível planificar outra vez e levar o seu orçamento de volta ao equilíbrio.

Trocar uma dívida significa conseguir o pagamento de um débito que proporciona custos mais altos por meio de um crédito com cotações mais baixas. Ou seja, trocar uma despesa que oferece juros altos por outra com taxas mínimas.

De tal modo, que você possa dar novo rumo para a sua vida.

  • Mas porque substituir uma dívida?

Porque certas dívidas se tornam maiores com o passar do tempo. Principalmente as que possuem taxas de juros e não são prefixadas ou que podem levar com facilidade ao descumprimento.

Um bom exemplo disso é o rotativo do cartão de crédito. Quando uma pessoa decide pagar somente o mínimo permitido na fatura do cartão de crédito , ela está cometendo um grande erro.

Isso porque os juros cobrados são altíssimos, fazendo com que a dívida se acumule a cada mês.

Por essa razão a substituição de dívidas é uma das alternativas mais aconselhadas para casos urgentes, nos quais o valor do custo sobe com rapidez.

Quais são as dívidas mais caras?

Existem produtos financeiros mais caros que outros. Alguns deles são:

– Cartão de crédito rotativo;

– Cheque especial;

– Empréstimo pessoal;

– Financiamentos diversos, como automóvel e imóvel.

É preciso avaliar os percentuais de cada produto antes de tomar qualquer decisão. Em algumas ocasiões, é possível pegar um empréstimo pessoal ou até mesmo um empréstimo consignado que seja mais barato.

Isso irá variar também de uma instituição para outra. Por isso, é muito importante pesquisar bastante para conseguir a melhor opção.

Leia também:

O que você deve saber antes de proceder com a troca de dívida.

Saiba o valor autêntico da dívida

Tenha cautela e anote tudo em um caderno ou planilha para ter uma visão geral da sua situação atual.

Confira o valor atual do seu débito. Desse modo, além de distinguir o valor real da pendência, também poderá compreender qual a melhor sugestão para liquidar a dívida em sua totalidade.

Basta acessar seu relatório de dívida ou entrar em contato com a empresa, solicitar o valor atualizado, com a especificação de percentagens de juros e os custos envolvidos.

Compreenda os requisitos da renegociação de dívida

Após identificar o valor autêntico da dívida, é momento de trabalhar na melhor maneira de fazer o pagamento. Verifique a probabilidade de obter determinado desconto.

Se pretende realizar o pagamento parcelado, fique atento às taxas que incidir[ao sobre a nova operação. Dependendo do total de juros devido à extensão de prazo, a dívida pode ficar ainda mais cara.

Simule as taxas de juros das novas opções

Com a informação em mãos, é possível começar a simular o valor que será pago por meio de uma ferramenta online.

Informe o total da dívida, o valor das parcelas e a taxa de juros mensal. Escolha uma data para quitar a dívida e faça as contas.

Com os números em mãos, compare os valores e escolha qual é a melhor alternativa para você.

Seja precavido para não realizar novas dívidas

Conhecendo o montante atual da dívida e conseguindo negociá-la em bons términos, é importante igualmente ter cuidado para não se endividar novamente.

Para isto, crie uma planilha de gastos pessoais e mantenha-a sempre atualizada. Assim será possível visualizar com mais clareza as despesas e encontrar os gargalos que estão fazendo seu dinheiro desaparecer.

A partir daí, basta tomar cuidado para não cair novamente nas armadilhas do consumo excessivo.

Alternativas para trocar dívida mais cara por uma mais barata

Conhecendo esta possibilidade, é momento de encontrar uma que se encaixe no orçamento. Para isto, é preciso pesquisar qual é a melhor alternativa antes de assumir qualquer decisão. Sendo assim, confira alguns tipos de empréstimos:

  • Empréstimo em outro banco ou instituição;
  • Empréstimo consignado;
  • Empréstimo pessoal;
  • Empréstimo com garantia;
  • Portabilidade de crédito.

Agora falaremos sobre cada uma dessas alternativas.

Empréstimo em outro banco ou instituição

Como o nome sugere, é um empréstimo oferecido por outra instituição financeira. É uma das melhores opções para quem está em busca de menores taxas de juros.

Porém, como todo empréstimo, é necessário avaliar se as condições são boas para o bolso. Além disso, é importante estar atento às taxas de transferência.

Empréstimo consignado

O empréstimo consignado é aquele que o valor das parcelas é descontado diretamente na folha de pagamento. Ele costuma ter juros mais baixos que os outros empréstimos, por isso, é uma boa alternativa para quem quer trocar dívida.

Destaco que esse crédito é aprovado para pessoas que formam parte de grupos específicos, tais como: aposentados e pensionistas do INSS, funcionários de empresas públicas municipais, estaduais ou federais e trabalhadores com carteira assinada onde a empresa tem contrato com determinada instituição financeira.

Empréstimo pessoal

O empréstimo pessoal é uma das alternativas mais populares para quem quer trocar dívida. Ele pode ser solicitado por qualquer tipo de cliente, basta que apresente comprovante de renda.

Porém, é importante lembrar que o empréstimo pessoal costuma ter juros mais altos do que os outros tipos de empréstimos. Portanto, pesquise bastante e compare as taxas antes de solicitar o crédito.

Essa categoria é muito benéfica quando a dívida tem juros elevados como, por exemplo, dívidas do cartão de crédito ou do cheque especial.

Dessa forma, você pode solicitar um empréstimo pessoal e saudar essas despesas. Porém, o correto é continuamente conferir entre as instituições para achar a escolha que mais se adapta no seu bolso.

Empréstimo com garantia

Nessa categoria de crédito, você pode usar bens como um carro ou imóvel, que permaneçam regularizados e saudados em seu nome, como hipoteca. Devido a isso, você pode alcançar parcelas mais modestas, valores maiores e prazos mais extensos para pagar.

Entretanto, tenha em mente que você está oferecendo uma garantia por meio do seu bem. Isso significa, que caso não houver o pagamento, seu carro ou imóvel pode ser tomado pelo estabelecimento financeiro.

Portabilidade de crédito

A portabilidade de crédito é uma das melhores soluções para trocar dívida por outra menor. Ela consiste em transferir o saldo da dívida atual para outro banco ou instituição financeira.

Assim, é possível negociar taxas de juros mais baixas e prazos mais longos para pagamento. Além disso, a portabilidade de crédito geralmente não tem taxas de transferência.

Porém, é importante lembrar que a portabilidade de crédito só pode ser feita uma vez a cada 12 meses. Sendo assim, analise com cautela se vale a pena fazer a transferência.

A portabilidade pode ser solicitada com a instituição financeira para onde você deseja levar a sua despesa. Como as taxas de juros mudam muito de uma instituição para outra, você pode aproveitar esta diferença para realizar a troca.

Para fazer esta portabilidade, você necessita pedir à instituição financeira que cedeu crédito (o banco da sua dívida antiga) para solicitar dados do contrato e da dívida em conjunto.

No momento da transação de transferência de dívida, não é admitida cobrança de qualquer tarifa. Conforme resoluções do Banco do Brasil, todas as instituições financeiras são obrigadas a proporcionar essa possibilidade.

Passo a passo para realizar a troca de dívida

Isto serve para que você possa fazer o melhor negócio. Confira um passo a passo de como fazer esse procedimento:

Organize suas finanças para trocar dívida cara por outra mais barata

Com a dívida renegociada, é hora de analisar o que causou o problema para tomar as devidas providências e nunca mais cair novamente nessa armadilha.

O ideal é que você crie um orçamento para ter suas finanças em dia e saber exatamente quanto pode gastar todos os meses.

Para alcançar essa meta, realize uma classificação das suas dívidas e das porcentagens de juros que é paga em cada uma delas.

Com isso em mãos, é possível começar a renegociar suas dívidas uma a uma para obter condições mais vantajosas e quitar sua dívida o quanto antes.

Avalie todas as dívidas

Logo após, será necessário somar todas as dívidas. Além disso, será preciso contabilizar o tempo que você necessitaria para quitá-las e o quanto elas incidem no seu orçamento.

É fundamental você distinguir os detalhes da sua dívida, conhecer qual o valor total que você deve atualmente, qual o valor de cada parcela e quantas faltam pagar.

Pesquise se existe a possibilidade de renegociar

Outro passo é negociar com as empresas que você deve e que tenham a melhor maneira de pagamento. Em certos momentos, a renegociação pode ser tão benéfica que não há necessidade de trocar a dívida para liquidá-la.

Se for esse o caso, busque verificar a probabilidade de obter um desconto sobre o valor total. Se você deseja fazer o pagamento parcelado, esteja atento às percentagens sobrepostas sobre a nova operação. Por fim, ainda com um desconto mensal menor a longo prazo a dívida pode terminar saindo mais cara.

Cheque as taxas de juros e condições de pagamento

Essencialmente, essa é a hora de comparar os diferentes panoramas e conferir se a troca de dívida compensa nas condições que você encontrou. É importante entender a importância dos detalhes dessa troca.

Não é aconselhado se admirar com juros baixos se, para desfrutá-los, você ter que assumir parcelas muito elevadas para o seu orçamento. O ideal é procurar condições que entrem no seu bolso e sustentem seu equilíbrio financeiro. E oficialize a troca da sua dívida por outra mais em conta.

Procure uma instituição financeira para trocar dívida

Após ver todos esses detalhes você precisará buscar uma instituição financeira para solicitar a portabilidade de crédito.

O processo é bem tranquilo e pode ser feito da mesma forma como você faria uma solicitação de empréstimo. A diferença é que, no lugar de um empréstimo, você estará pedindo para levar a sua dívida existente para outra instituição com juros menores.

E pronto! Você já sabe como trocar dívida por outra menor. Esperamos que este post tenha sido útil e que as dicas possam ajudar você a organizar suas finanças e, assim, ter mais tranquilidade para administrá-la.

Caso tenha alguma dúvida, entre em contato conosco que teremos o prazer de ajudar.

Até a próxima!

Systeme.io

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.